Newsletter
Receber newsletters
Camel Trophy Portugal
por email

Wallpapers



1995 - Mundo Maya

Votos de utilizador:  / 1
FracoBom 
A designação do Camel Trophy 1995 foi escolhida para fazer referência à civilização Maia, que dominou a região da América Central, onde esta edição teve lugar. Os países visitados foram 5 (Belize, México, Guatemala, El Salvador e Honduras), obrigando um planeamento demorado, que se prolongou por diversos meses.
Mapa do percurso
A partida foi dada na Praça Jaguar do templo Maia, em Lamanai, localizada a aproximadamente duas horas de viagem da cidade de Belize, a Noroeste desta.

Após quase dois dias de Tarefas Especiais, realizadas sob o calor abrasador e a inacreditável humidade de Lamanai, as equipas dirigiram-se para Norte, através dos acampamentos Menonitas perto de Orange Walk, até chegarem à fronteira com o estado do Iucatão, ponto de entrada no México.

Daqui, seguiram para uma escavação arqueológica, perto da cidade Maia, em ruínas, de Rio Azul. Os dois dias seguintes foram dedicados a ajudar arqueologistas oriundos do México, Guatemala, Belize e Canadá, na pesquisa de uma área por estudar.
 Início do evento     Caravana Camel Trophy

Continuaram o percurso para Sul, percorrendo a província de El Petén, já na Guatemala.

Passaram pelos imponentes templos de Tikal, chegando ao Lago Petén Itzá, onde foi realizada uma prova de rafting.

À medida que se dirigiam para Sul, o calor e a humidade foram diminuindo, enquanto subiam gradualmente os estreitos e poeirentos trilhos. Estes, levariam as equipas até às montanhas de Alta Verapaz, cobertas de pinheiros.

A subida às Terras Altas da Guatemala seria feita por San Cristobal, Sacapulas e Santa Cruz Del Quiche. Daqui, seguiram em direcção ao Lago Guija, fronteira com El Salvador, passando pela Cidade da Guatemala, a Sudeste, através de frescos mas poeirentos caminhos.
 Veículos Camel Trophy na floresta     Land Rover Discovery
 A uma altura de 2,5 km acima do nível do mar, as equipas do Camel Trophy participaram na cerimónia de doação de uma estação de pesquisa.

A rota seguiu, depois, para Norte, voltando a entrar na Guatemala. Continuaram para Este, através do Rio Jupilingo e chegaram às Honduras e às magníficas ruínas Maias de Copan.

Os trilhos montanhosos, cobertos de buracos, e a densa floresta da zona mostraram ser a pior parte do percurso, dificultando bastante as condições de condução. Especialmente difícil, foi o trajecto de Zacapa ao Lago Isobel, em Sierra de Las Minas.
Caravana Camel Trophy     Caravana Camel Trophy

Do Lago Isobel, os participantes seguiram por um caminho a direito, mas bastante duro, que os levaria para Norte, até à fronteira com o Belize e de volta ao calor sufocante.

As últimas Tarefas Especiais foram realizadas em Xunantunich, que é um sítio arqueológico Maia, localizado a 13 km a Oeste de San Ignacio, no distrito de Cayo, Belize, junto da fronteira com a Guatemala. Trata-se de um sítio arqueológico pouco conhecido, situado no alto de uma colina, numa das margens do rio Mopán. O seu nome Maia significa “Mulher de Pedra”. Segundo a lenda, que remonta a 1892, este nome foi dado devido ao fantasma de uma mulher que, segundo habitantes locais, está vestida completamente de branco e tem uns olhos brilhantes vermelho-fogo. Normalmente, aparece à frente de El Castillo (uma das estruturas em pirâmide da zona), sobe as escadas de pedra e desaparece através da parede.

O final do evento deu-se no mesmo local, pondo fim a uma dura e desafiante, mas compensadora, edição do Camel Trophy.
Veículos Camel Trophy e habitantes locais      Veículos Camel Trophy e habitantes locais Land Rover Discovery      Land Rover Discovery e ruínas Maias

Resumo da edição
Veículos dos participantes: Land Rover Discovery 300Tdi

Veículos de apoio: Land Rover Defender 110 300Tdi

Distância percorrida: 1520km em estrada

Equipas:
África do Sul - Marc Pincente / Paul Leslie-Smith
Alemanha - Christorph Wieland / Jurgen Hellgeth
Bélgica - Steve Wittevrongel / Serge Bruynkens
Escandinávia - Jorn Hauge / Niels Kokborg
Espanha - Belen Sanchez / Lluis Moret
E.U.A. - Daphne Green / Jim Swett
França - Gerard Champoiral / Lionel Lattard
Grécia - Evangelos Psychas / George Tzavelas
Holanda - Erik-Jan de Rooij / Johan Warmerdam
Hungria - Jozsef Nageyb / Peter Bakos
Ilhas Canárias - Miguel Woolmington / Tomas Lorenzo
Israel - Yariv Yaari / Haim Hadar
Itália - Stefano Bionconi / Matteo Pellin
Japão - Katsumi Murayama / Atsushi Sato
Polónia - Wojciech Stanowiak / Marek Klar
Reino Unido - Mike Oxley / Rob Conner
República Checa - Zdenek Nemec / Marek Rocejdl (vencedores Camel Trophy & Special Tasks Award)
Rússia - Pavel Bogomolow / Sergei Fenev (Team Spirit Award)
Suíça - Manuela Catalini / Christian Gremaud
Turquia - Fatih Koseoglu / Orhun Ege Koyagasi




(conteúdo baseado em dados fornecidos por: Camel Trophy Owners Club e Wikipédia)

Partilhe este artigo: